Você já passou pela situação onde tem patrimônio mas, paradoxalmente, não tem dinheiro para quitar dívidas ou usar em situações de emergência? Isto tem a ver com o conceito de Patrimônio Líquido e Liquidez – conceitos pouco entendidos.

Vamos neste artigo definir estes dois. Vamos por partes.

Parte 1 – Patrimônio Líquido: Ativos Menos Passivos

Embora soubesse o que é patrimonio liquido, passei a maior parte da minha vida adulta evitando calcular o meu porque sempre soube que o resultado do cálculo seria negativo. Me deprimia ver que eu devia mais do que possuia. Mas hoje, olhando para o passado, lamento não ter observado quanto era o patrimônio líquido; isto permitiria ver os ganhos que tivemos ao longo dos anos.

Agora que estamos livre da dívida e aquele pequeno mas crescente resultado é positivo, me sinto compelido a calcular o nosso valor líquido uma vez por mês e acompanha-lo ao longo do tempo.

A definição básica do valor líquido diz que o número é essencialmente a diferença entre ativos e passivos ou dívidas. Parece bastante simples. O problema é que há muitas classificações diferentes de ativos.

Em finanças corporativas, os ativos são geralmente classificados pela sua liquidez. Ou seja, a facilidade com que podem ser convertidos em dinheiro. Dinheiro guardado em uma conta bancária é obviamente a forma mais líquida do ativo enquanto o equipamento ainda pode ser considerado como um ativo, mas uma vez que teriam de ser vendidos por um valor depreciado para ser transformado em dinheiro, considera-se menos líquido.

O mesmo vale para a maioria das famílias. Por exemplo, o nosso fundo de emergência é o nosso ativo mais líquido. O valor de venda dos dois veículos também poderiam ser listados como ativo. No entanto, sabendo da encheção que é ter que vender um carro, fico relutante em incluir o seu valor como parte de nosso patrimônio líquido.

E temos os imóveis. Supondo que você tenha pago diligentemente a hipoteca por vários anos, as chances são que você tem em sua casa um patrimônio. Por exemplo, se você possui uma casa no valor de 100.000 e deve 80.000, listando a casa e a hipoteca como um ativo e passivo, respectivamente, o valor líquido aumentaria o seu patrimônio líquido em 20.000.

Um exemplo mais extremo: depois de algumas décadas pagando hipoteca, pode haver um aumento súbito de 40.000 em seu patrimônio líquido. Mas para receber este dinheiro, você teria que vender a sua casa, algo que você pode não estar dispostos a fazer.

Parte 2 – Dois Tipos de Patrimônios Líquidos

Para contornar o problema, nós simplesmente calculamos dois números para valor liquido. Chamamos o primeiro de Patrimônio Líquido Total, que é calculado subtraindo todos os nossos passivos (hipoteca) de todos os nossos ativos (poupanças, casa, etc).

Calculo então o nosso segundo valor líquido que chamo de Valor Patrimônial Líquido. Isso inclui apenas os ativos que podem ser rapidamente convertidos em dinheiro ou que já estão em forma de dinheiro. Este cálculo seria responsável por ações, títulos e contas em dinheiro como o fundo de emergência mas não incluem ativos tangíveis como carros e casas.

Na maioria dos casos este segundo valor líquido é muito menor mas é, na minha opinião, uma visão mais realista da sua situação financeira atual. Imagine alguém com 10.000 em dívidas de cartão de crédito e saldo de poupança desprezível mas com 35.000 de patrimônio (a casa). Dizer que esta pessoa tem 5.000 de patrimônio líquido positivo é uma visão distorcida de sua saúde financeira. Um cálculo correto e mais sóbrio do valor patrimônial líquido iria mostrar que ela está 10.000 no negativo.

Tenha estes dois números em sua cabeça e os use-os de acordo com a situação.