Exemplo de Uma Família que Reduziu a Dívida


Adoro ler histórias sobre gente comum como eu e você que decidiram sair da dívida. Compartilho neste artigo uma história de dívida de alguém que conheço.

De onde se originou a dívida?

Maria (nome fictício) tinha uma vida livre de dívidas exceto a casa e um empréstimo de carro. Então algumas coisas aconteceram em rápida sucessão:

  • Tiveram o primeiro filho.
  • Ela passou de trabalhar em tempo parcial.
  • O marido começou um negócio.

Todas aquelas coisas eram boas. Eles refariam tudo de novo se fosse possível. Mas uma coisa que faríam também – mas que não fizeram na época – é reduzir radicalmente o padrão de vida para um que lhes desse o luxo de ter essas coisas com um mínimo de dívida. Não viviam de maneira extravagante mas não eram tão aversos a dívida como deveriam ter sido.

Era o início dos anos 90 e dívida parecia normal para eles.

O negócio começou a prosperar e a renda cresceu; o padrão de vida cresceu junto.

Tiveram um segundo filho. Ela parou de trabalhar completamente. Fizeram leasing de uma VAN zero. Compraram uma casa nova.

Era uma vida bastante normal. Nunca tiveram problema para fazer pagamentos. E tinham sempre ótimas pontuações de crédito.

Então qual era o problema?

O problema era que por 20 anos a dívida conviveu com eles. E isso os impediu de fazer o tipo de progresso financeiro que queriam fazer.

Queríam poupar bastante e rápido para a aposentadoria. E construir um fundo de emergência de grande porte. E pagar em dinheiro carros e reformas da casa.

Mas todas essas coisas ficaram para trás para pagar a dívida que parecia nunca acabar. Cada vez que faziam um pequeno progresso o estilo de vida se inflava de acordo, anulando qualquer progresso.

Mas no final do ano passado começaram a reverter esse padrão e começar a fazer progresso real.

Encarando dívida de maneira séria

Eu gostaria de dizer que eles “estavam louco da vida com ela e queriam eliminá-la o mais rápido possível”. Mas não foi o que aconteceu.

O que os incentivou foi que ao mandar a filha para a faculdade particular, notaram que tinham dinheiro para pagar todos os 4 anos, incluindo moradia. Maria se sentiu tão bem bem porque foi a primeira vez que tinha guardado e eram capazer de pagar algo grande em dinheiro.

A partir de então tiveram algumas vitórias grandes:

  • Quitaram o empréstimo de carro com um dinheiro extra que entrou.
  • Usaram outro dinheiro para quitar o empréstimo do segundo carro.

E continuaram fazendo coisas pequenas também. Como:

  • Ajuntar dinheiro extra para quitar dívidas.
  • Procurar maneiras de cortar despesas.
  • Começar um fundo de carro para que possam pagar em dinheiro o próximo carro.

E a medida que continuaram a fazer progressos, todos os esforços – grandes e pequenos – começaram a se acumular. A bola de neve foi ganhando força e foi emocionante, diz ela.

Quanto mais pagavam a dívida, mais dinheiro tínham a cada mês. E quanto mais dinheiro que tínham a cada mês, mais pagavam as dívidas.

E aonde levou isso tudo?

Eles não estão livres da dívida ainda mas estão bem a caminho. Ainda tem o empréstimo da casa para pagar. E um cartão de crédito empresarial. Ambos devem acabar dentro de um ano – talvez mais cedo.

Por fim, são co-proprietários de um condomínio. Seus planos futuros para a propriedade não são claros, por isso não fazem parte do plano de redução da dívida neste momento.

Seguindo em frente

Os objetivos agora são:

  • Livrar-se da hipoteca e o saldo do cartão de crédito
  • Criar um fundo de emergência maior.
  • Aumentar a poupança para a vida de aposentadoria.
  • Continuar a poupar para o fundo de carro novo.
  • Pagar em dinheiro as reformas da casa.

Espero que em breve sejam capaz de escrever o último capítulo da história de dívida deles.


Clique aqui p/ deixar um comentário 0 comentários