Proteja Seu Patrimônio com Seguro


Diz o ditado que a melhor defesa é o ataque e ter um seguro é a melhor defesa contra muitas coisas que podem dar errado na vida. Possuir uma cobertura de seguro é um componente chave em qualquer planejamento financeiro. O seguro ajuda a proteger aquilo que você obteve com trabalhou duro de todas as coisas que você não pode controlar: o clima, as ações de outros, acidentes, doenças, ferimentos e morte.

Seguro pode ser confuso. Como saber se a cobertura é suficiente ou qual o tipo certo de seguro? Como ter certeza de que não está sendo enganado?

Noções básicas de seguros

O propósito do seguro é proteger aquelas coisas que você não pode se dar ao luxo de substituir contra aquelas circunstâncias sobre as quais você não tem controle.

Seguro cobre somente perdas. Isso significa que o que desencadeia um pagamento de seguro não é uma oportunidade de ganho, apenas de perda. Este é motivo pelo qual não é possível segurar especulação no mercado de ações. Há certamente uma oportunidade para perder dinheiro, mas há também uma oportunidade para ganhar.

Geralmente, o seguro cobre três coisas: pessoas, propriedades e responsabilidade:

  • Seguro de vida, indenização trabalhista, seguro contra invalidez, seguro saúde cobrem pessoas.
  • Seguro residencial e de automóvel cobrem propriedades.
  • Seguro de responsabilidade civil que cobre danos a pessoas e bens reivindicados legalmente contra você.

Quando você compra uma apólice de seguro, a companhia seguradora assume o risco de você ou sua propriedade sofrer uma perda. O valor de pagamento mensal é baseado neste risco.

O risco é um cálculo que a seguradora faz da probabilidade de um pagamento ocorrer na sua população de segurados.

Isso explica porque jovens motoristas homens pagam um seguro maior do que jovens motoristas mulheres – as estatísticas mostram que homens jovens têm maior probabilidade de se envolverem em um acidente do que as mulheres jovens. Por isso o valor do seguro a ser pago mensalmente reflete o risco mais elevado.

Compreendendo as cobertura e limitações

Uma das razões que fazem com que os seguros sejam confusos é que as apólices são escritas em linguagem que só advogado entende. Fica difícil descobrir contra o que exatamente você está coberto ou não. Nos EUA, por exemplo, após o furação Katrina muitos moradores da costa do Golfo não sabiam que não estavam cobertos por danos de inundações. Eles contrataram seguros residenciais que cobriam contra todo tipo de perda e não cobria riscos gerais decorrentes de eventos extraordinários. A verdade é que para eles teria sido melhor que suas casas houvessem se incendiado, porque nesse caso, as perdas teriam sido cobertas pelo seguro.

A maioria das apólices exclui cobertura para eventos ou circunstâncias extraordinárias ou catastróficas. As apólices típicas de seguro saúde têm exclusão para doenças preexistentes, o que significa que eles não vão cobrir as despesas para, digamos, asma, até que estejam reunidas certas condições (muitas vezes um período de carência de até um ano sem tratamento). Nenhuma apólice de seguro cobre perdas resultantes de ações deliberadas. Você não irá receber pagamento se perdeu sua casa em um incêndio provocado por você mesmo. E se um bombeiro se machucar apagando o fogo que você começou, o seguro de responsabilidade civil não cobrirá os danos a esse bombeiro no caso de uma reivindicação legal contra você.

Informe-se sobre sua apólice de seguro antes de precisar dela. De preferência, antes de comprá-la. Certifique-se se entendeu o que é ou não coberto por qualquer apólice que esteja considerando.

Seguros mais baratos nem sempre são o melhor negócio, não importa o que está coberto. Certifique-se se entendeu o que está coberto e o que não está e se a apólice é a que melhor corresponde às suas necessidades e orçamento.

Considerando franquias e preço do seguro

Quanto maior a franquia menor é o preço do seguro. Isto é verdade para todas as apólices que carregam uma franquia (o quanto você tem que pagar para ter direito a indenização) seja seguro residencial, de automóvel ou outros). Seguros de vida não possuem franquias, mas apólices de seguro saúde ou invalidez muitas vezes têm períodos dedutíveis com pagamentos conjuntos ou carência, período em que você é responsável por suas próprias despesas.

Franquia e prêmios têm relação inversa porque a probabilidade de pleitear uma indenização que excede a franquia é menor do que a de pleitear indenização se não houver franquia.

Se a franquia for zero, por exemplo, no seguro residencial, o segurado fica mais propenso a pleitear uma indenização por uma janela quebrada ou pela cerca que foi derrubada pela tempestade da noite anterior. Se nesse caso, houver uma franquia de R$ 1000 que deve ser paga pelo segurado, você não vai pedir indenização por coisas pequenas como essas e portanto a chance da companhia de seguro pagar são menores. A regra geral é estabelecer a franquia de acordo com que você pode pagar em caso de perdas. Se você tem R$ 4.000 em um fundo de emergência, por exemplo, a franquia deve ser entre R$ 400 e R$ 800 – até o limite de R$ 2.000.

Se não houver dinheiro reservado suficiente para uma franquia alta, opte pela maior que você pode suportar por hora e aumente a sua franquia à medida que seu dinheiro guardado no fundo de emergência aumente. Assim você pode usar a economia que terá em pagamentos mensais para ajudar a financiar seu investimento ou a poupança para a aposentadoria.

Avaliando Companhias de Seguros

Independente do tipo de seguro contratado é importante conhecer a empresa de quem você está comprando a cobertura. Não há nenhuma vantagem em comprar seguros de empresas financeiramente instáveis. Quanto maior o prazo de suas apólices, mais importante a boa saúde financeira da seguradora.

Seguro de Carro

As financiadoras de automóveis podem exigir que se faça um seguro para o carro. E esse seguro deve cobrir totalmente o carro, pelo menos, enquanto o financiamento estiver vigente. Após o pagamento total do carro, embora haja muitas opções de seguros, essa é uma decisão pessoal.

A exceção é o seguro de responsabilidade civil. É um seguro obrigatório e graças a ele as companhias de seguro indenizam por acidentes sem exigir a determinação da responsabilidade relativa de cada motorista pelo acidente. É altamente recomendável que os proprietários possuam um. Há três componentes básicos nos seguros de automóveis: colisão, abrangente e responsabilidade.

Seguro de colisão

Cobre os danos de colisão de seu carro e qualquer outro veículo envolvido em um acidente (danos aos edifícios ou o que você está coberto sob a porção de responsabilidade de sua apólice.) Geralmente, quanto mais novo o carro, maiores serão os prêmios de colisão, porque normalmente os reparos serão mais caros. Apólices de colisão o protegem se você está dirigindo seu próprio carro ou outra pessoa.

Alguns especialistas dizem que você deve deixar de pagar a cobertura de colisão qundo o valor do seu carro se depreciar estiver abaixo de dez vezes o seu pagamento anual. Exemplo: se você está pagando R$ 600 por ano para cobertura de colisão, você pode querer considerar eliminá-lo quando o valor do seu carro cai abaixo de R$ 6.000.

Antes de cancelar de ter um seguro de colisão, considere se você tem opções para pagar um carro diferente e se o seu orçamento pode lidar com o pagamento do carro.

Abrangente

O seguro abrangente protege contra roubo, contra as pedras que podem lascar seu pára-brisa e assim por diante – basicamente qualquer coisa que está além de seu controle. Algumas companhias de seguro também asseguram colisões com animais, como afirma a denominação “abrangente”. Muitas apólices têm uma franquia de abrangente, mas não cobrem a franquia para reparos de vidro.

Responsabilidade

Cobertura de responsabilidade protege contra ações judiciais por danos materiais e lesões corporais, se o pedido de indenização vier de um passageiro de seu veículo ou alguém de fora de seu veículo – o condutor ou passageiro de um outro carro ou um pedestre. Geralmente, se você é o culpado em um acidente, o seguro de responsabilidade irá pagar contas médicas e danos à propriedade dentro de limites determinados.

Limites de responsabilidade são geralmente fixados para cada indivíduo e cada incidente. Assim, por exemplo, uma apólice com limite de R$ 4.000 e R$ 8.000 a seguradora pagaria até R$ 4.000 em contas médicas para cada pessoa envolvida e um máximo de R$ 8.000 no total. Se você tem três passageiros em seu carro e todos eles ficarem feridos, a cobertura de suas despesas médicas iria parar quando o total combinado chegar a R$ 8.000.

Se as contas médicas ou indenizações por danos excederem a sua responsabilidade, você poderia ser processado por danos adicionais. Neste caso todos seus ativos de outros poderiam estar em risco. Verifique se você tem uma quantidade razoável de cobertura para protegê-lo de tal possibilidade.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *